2.7k
LEITURAS

COMPORTAMENTO

Cachorro fugindo durante o passeio? Saiba como evitar

Ruff Ruff

Ruff Ruff
06/07/18

Sofre com seu cachorro fugindo durante o passeio? Saiba os motivos dessas fugas e como resolver esse problema.


Naquela tarde no parque o clima era de descontração. Ana passeava com seus cães Kiara e Apolo como normalmente fazia todo sábado até ter uma ideia: que tal tornar a brincadeira mais divertida?

Vendo alguns cães correndo livremente e observando o clima tranquilo no parque, Ana resolve soltar seus cães por apenas alguns minutos. Naquele momento uma brincadeira de bolinhas parecia uma ideia genial.

Kiara e Apolo eram cães maduros, com 5 e 8 anos respectivamente. Ana jamais havia tido problemas com eles e confiava plenamente no controle que tinha sobre ambos. Acreditando nisso ela os soltou da guia e começou a diversão.

E tudo corria bem, até que Apolo foi subitamente atraído por algo no meio das árvores e se pôs a correr. Ana, desesperada entre prender Kiara e perseguir Apolo, perdeu tempo e seu cão de vista.

Naquele momento Ana sentiu o chão se abrir na sua frente: o que fazer?

Espero que isso jamais aconteça com você.

Vivemos em Curitiba e recebemos semanalmente mensagens de donos que perderam seus cães na cidade.

São pessoas totalmente desesperadas, elas sabem que seus cães são frágeis e infelizmente não desenvolveram instintos de sobrevivência como um cão de rua.

Infelizmente boa parte delas jamais recupera seus cães.

Calma, ver o cachorro fugindo durante o passeio não precisa acontecer com você ou ninguém que você conheça.

Ao decidir criar um cachorro você automaticamente assumiu o compromisso de zelar pela saúde, segurança e felicidade dele.

Por isso, continue lendo esse artigo para entender como evitar situações como essa e o que fazer caso elas infelizmente ocorram.

Índice de conteúdo

1. Conheça os perigos
2. Entenda as causas
3. Evite fugas e acidentes seguindo 5 passos simples
4. Mesmo assim seu cachorro fugiu? Siga esses 3 passos.


#1. Conheça os perigos



Seu cachorro definitivamente não está preparado para sobreviver na rua por muito tempo, se estivermos falando de raças mais frágeis ou temperamentos submissos, esses riscos serão potencializados.

Via pixabay


– Você pode nunca mais vê-lo

Roubo de cães é algo relativamente comum no Brasil. Algumas raças são mais visadas e alguém mal intencionado pode encontrar seu cão perdido por aí. Da mesma maneira, alguém bem intencionado pode perceber a fragilidade dele e levá-lo para cuidar.

– Ele pode se machucar gravemente

Seu cachorro pode ser atropelado ao tentar atravessar uma rua. Cães domésticos se assustam facilmente e não entendem bem o que pode ser ou não uma ameaça.

Se for um cão com energia submissa outros cães de rua podem instintivamente tentar dominá-lo e uma briga pode acontecer. Seu cão poderá se ferir e contrair uma doença grave.

Ao mesmo tempo você jamais saberá o que ele ingeriu nesse intervalo. Um alimento tóxico, estragado, ou até algo envenenado.

– Ele pode cruzar

Especialmente para donos de fêmeas, mesmo encontrando seu cão você jamais saberá o que aconteceu nesse intervalo. Por essa razão é aconselhável que você procure um veterinário caso perca seu cachorro de vista na rua por muito tempo.

– Ele pode ferir alguém

Especialmente se for um cão inseguro ou com energia dominante, ele pode ferir alguém que tentar se aproximar. Uma criança, idoso, ou mesmo outro animal.

É importante lembrar que a Lei da Posse Responsável torna você legalmente responsável pelo que seu cão faz na rua.


#2. Entenda as causas



Seu cachorro possui instintos naturais. Beagles e Terriers são curiosos, Greyhounds e Labradores caçam, e assim cada raça possui uma predisposição diferente.

Além disso cães têm focinho, olhos e ouvidos atentos e poderosos. Isso dá a eles a chance de notar algo que provavelmente passará despercebido por você.

Via pixabay



Dito isso, várias coisas podem ser causa de uma fuga:

– Ele avistou um animal

Seu cão é altamente sociável e conhecido por todos como o cachorro “boa praça”? Cuidado, se estiver solto ele pode se afastar na intenção de conhecer outro animal.

– Ele teve despertado seu instinto de caça

Alguns cães são instintivamente atraídos por pássaros, pombas, borboletas, entre outros. Por mais que você tenha um animal treinado e sob controle, em algum momento o instinto poderá falar mais alto. Dependendo da velocidade do seu cachorro será difícil alcançá-lo e, quando ele perder a presa de vista, não encontrará mais o caminho de casa.

– Algo despertou sua curiosidade

Ele pode ser atraído por algum cheiro diferente ou comida. Cães possuem um olfato poderoso e percebem um cachorro-quente à vários metros de distância.

– Algo o assustou

Existem cães super sensíveis a fogos, trovões ou qualquer outro barulho acima da média. Normalmente um cachorro se aproxima do dono quando sente insegurança, mas alguns perdem o rumo e simplesmente correm em busca de um local mais tranquilo.

– Ele foi estimulado

Uma cadela no cio poderá atrair o seu cachorro de uma distância muito grande. Nesse momento todo o treinamento não fará diferença e você o perderá de vista.

– Ele estava entediado

Um cachorro altamente ativo pode simplesmente achar o passeio tedioso e decidir correr.


#3. Evite fugas e acidentes seguindo 5 passos simples


Via pixabay


1. Identifique o seu cachorro

Placas de identificação permitem a um estranho bem intencionado entrar em contato com você para devolver seu cão. Certifique-se de tê-la bem presa à coleira com seu nome completo e telefone.

Quer aumentar as suas chances? Grave na plaquinha uma recompensa para quem devolver seu cachorro.

2. Escolha a melhor guia e coleira

Muitos donos pecam pela falta de cuidado nesse momento. A guia e coleira são suas aliadas durante toda a vida do seu cão, portanto escolha um conjunto que priorize segurança, controle e conforto (nessa ordem).

Primeiro, certifique-se de ter uma guia com um mosquetão resistente e seguro (aquele acessório de metal que liga guia e coleira). Existem vários casos de fuga por quebra de mosquetão.

A guia também deve ter comprimento limitado, para permitir um controle mais próximo. Escolha uma com até 1,2 metros e evite as guias retráteis.

Guias retráteis foram desenvolvidas para atividades de busca e quando usadas em situações normais só passam a mensagem errada de: “quando mais você puxar, mas liberdade terá”.

Depois, escolha uma coleira que seja resistente, durável, confortável, e que não escorregue. Se o seu cão souber passear ao seu lado sem puxar, Peitorais deverão resolver o problema.

No entanto, se o seu cachorro ainda estiver sendo treinado e você estiver convivendo com puxões constantes, recomendamos a Coleira Martingale para maior controle durante o passeio.

3. Diminua o tédio em casa

Torne os momentos em casa mais divertidos para ele. Brincadeiras indoor e brinquedos interativos cumprem bem esse papel. Isso fará com que o seu cachorro saia de casa com menos energia acumulada, e assim concentre-se mais no passeio que nas distrações.

4. Faça caminhos diferentes

Se você costuma passear no seu bairro ou quarteirão, busque variar os caminhos para que ele se habitue e saiba como voltar para casa em uma situação de emergência.

Ao mesmo tempo, variar o caminho tornará tudo familiar para ele, reduzindo as chances dele ser surpreendido ou atraído por alguma coisa diferente.

5. Ensine seu cão a passear

O passeio é um momento de trabalho para o cão, não de lazer (ao contrário do que a maioria pensa).

Se o seu cachorro está disperso e puxa o tempo todo, ele provavelmente não entendeu essa diferença e vê o passeio como um momento para fazer o que quiser, como quiser e quando quiser.

Exercite essa atividade fazendo com que ele entenda o passeio como sair do ponto A e chegar ao ponto B para só depois ser recompensado. Essa recompensa poderá vir em forma de carinho, comida ou mesmo um tempo livre para cheirar e se aliviar.


#4. Mesmo assim seu cachorro fugiu? Siga esses 3 passos



Isso já aconteceu conosco.

Temos um cão chamado Max que aos 3 anos de idade se assustou com um ônibus passando e conseguiu escapar da coleira dando o tradicional “solavanco”.

Na época ainda não conhecíamos a Coleira Martingale e usávamos uma Coleira Tradicional de Nylon. Como temos um cachorro muito peludo, a coleira não resistiu e escorregou.


Via pixabay



Conhecer as técnicas abaixo impediu o Max de correr para o meio da avenida movimentada e ser atropelado:

1. Não corra atrás dele

Ao perceber você correndo atrás, seu cachorro entenderá tudo como uma brincadeira e continuará fugindo de você. Ele certamente vai correr mais rápido que você e, quanto mais atlético e jovem, menores as chances de você alcançá-lo.

2. Se jogue no chão

Acredite, se seu cão fugir o melhor que você pode fazer é se jogar no chão e gritar. Incorpore o melhor ator e finja que quebrou a perna ou que está machucado. Dê o seu melhor para que ele realmente acredite que você está ferido. O cão vai voltar para ver o que houve com você e você poderá segurá-lo.

Não tenha vergonha, muitas pessoas já usaram essa técnica e é de fato umas das mais eficientes.

3. Use um petisco ou palavra-chave

Tenha sempre o melhor petisco no bolso e use para atraí-lo. Para os cães acostumados a ganhar petiscos só depois de obedecer um comando é algo que realmente funciona.

Ao mesmo tempo use uma palavra-chave que ele automaticamente associe a algo positivo. Por exemplo, sempre que damos petiscos especiais dizemos: “quem quer um petisco?”.

Graças a isso nossos cães relacionam sempre as palavras “quem quer” com algo bom, levantando suas orelhas em sinal de curiosidade.

É nessa hora que você vai pegá-lo e colocar na guia ou na coleira de volta.


Conclusão



A prevenção é a melhor medida para evitar uma situação desagradável e possivelmente irreversível, já que não é garantido o controle de um cachorro sem guia, mesmo que ele seja experiente e treinado.

Lembre-se, você é o responsável pela saúde, segurança e felicidade do seu cão. Siga os 5 passos desse artigo e cumpra o seu dever como líder do bando!

E não deixe de conferir 5 sintomas de um cachorro desequilibrado (e como resolvê-los), é outro texto para ajudar a compreender e conhecer melhor com seu amigão Clique aqui.




artigo-desktop-2