Vacina importada ou a nacional

Ontem fui levar pra vacinar o Negrinho, o cachorro da minha namorada, pra tomar a terceira dose da V8... Lá o veterinário me deu a opção de dar pra ele a vacina nacional (cerca de 20 reais) e a importada (40 reais)... Perguntei a diferença, ele não soube explicar... só soube dizer que a importada era a melhor... Bom acabamos optando pela importada por pensar que o barato pode sair cara...
Mas bem... alguém sabe se tem alguma diferença????

curtir 12
  • Oi alguém poderia tirar uma dúvida levei minha cachorrinha ontem pra tomar vacina e a veterinária aplicou a nacional mais estão TDS dizendo que num é boa será que já posso levar ela pra tomar a importada

    curtir 0
  • SOU VETERINÁRIA. PAREM DE DAR A VACINA NACIONAL. NÃO PRESTA, COMO QUASE TUDO NESTE PAIS. SÓ VENDEM A NACIONALM PORQUE ALGUÉM ESTÁ FATURANDO EM CIMA DA IGNORANCIA DO POVO. É UMA POUCA VERGONHA!
    SE JÁ APLICARAM A NACIONAL, ESPEREM UMA SEMANA E APLIQUEM A IMPORTADA. A NACIONAL VENDE EM PETSHOP E CASA DE RAÇÃO. A IMPORTADA SÓ É VENDIDA PARA VETERINÁRIOS!

    curtir 0
  • Sim! As vacinas possuem grandes diferenças no que se diz respeito à qualidade. É triste dizer, mas vacinas nacionais não fornecem grande proteção aos nossos amiguinhos peludos como as vacinas importadas.

     A diferença entre a chamada vacina ética (importada) e a vacina nacional é a quantidade de anticorpos produzidos por cada vacina após a imunização do animalzinho. As vacinas de laboratórios nacionais não são consideradas boas porque podem produzir uma quantidade de anticorpos não suficiente para imunização de cães e gatos, já a vacina “ética” é importada e comprovadamente adequada para a imunização destes. As vacinas importadas são comprovadamente melhores que as nacionais sendo verificado através de inúmeros relatos clínicos e práticos. Após a vacinação com o produto nacional houve o retorno de animais, apresentando as doenças as quais deveriam estarem imunizados; o que não ocorre com a vacina importada, comprovando assim sua eficácia.
    
     Outro fator que diferem é as condições em que ocorrem a venda e aplicação da vacina. A nacional não é considerada uma vacina ética, pois é vendida sem restrições em agropecuárias, aviários ou em qualquer estabelecimento animal, onde muitas vezes são conservadas de maneira incorreta já perdendo aí sua eficácia, eonde o cliente compra, e as leva para casa em uma sacolinha plástica com gelos sem a mínima condição de conservação; muitas vezes são aplicadas pelo próprio balconista que não tem formação alguma. Não examina o animalzinho, nem pergunta como ele esta, se esta se alimentando, se tomou vermífugo, se tem vermes, qual sua temperatura, etc: que é o mínimo de um exame físico indispensável em uma consulta veterinária.
    
     Para os balconistas não há interesse em explicar a diferença entre as duas vacinas, visto que a importada somente pode ser adquirida por médicos veterinários; e estes após a aplicação carimbam e assinam a carteira de vacinação, como responsáveis pela imunização.
    
     Já a vacina importada somente é administrada por médicos veterinários, que são as únicas pessoas capacitadas para averiguar a saúde do seu animalzinho. Somente após a consulta com o exame clínico que é feita a vacinação. Se o seu mascote apresentar-se adoentado, com febre, diarréia ou com uma simples gripe, não é feita a vacina, para não comprometer ainda mais a saúde do animal. Faz-se o tratamento adequado e posteriormente a vacinação, garantido assim a sua eficiência.
    
     Quando o paciente recebe a primeira vacina, não será em um ou dois dias que ele estará protegido contra as respectivas doenças contidas na vacina. O organismo do animalzinho vacinado começará a produzir anticorpos contra estas doenças, após 15 a 21 dias da aplicação, o que coincide com o primeiro reforço que pode ser dado 21 a 30 dias após a primeira dose.
    
     Somente após 15 dias da terceira dose, é que o animal terá quantidade de anticorpos  suficientes para fazer a diferença entre estar saudável ou desenvolver alguma doença infecto-contagiosa.
    
     O aproveitamento da qualidade envolvida na imunização, está ligado diretamente na condição física e nutricional do filhote, sendo assim somente o médico veterinário tem condições de avaliar adequadamente o animalzinho. Todo reforço da vacina, é obrigatório realizar uma nova avaliação clínica, para que possa realmente conferir a imunização (proteção) ao seu animal de estimação.
    
     O reforço é necessário na primovacinação (primeira vez que faz a vacina), pois o organismo do seu mascote necessita ser sensibilizado para promover a proteção adequada. Respeite o "prazo" estipulado pelo veterinário, assim como o protocolo; este pode variar de acordo com a região e os surtos de doenças existentes nestas.
    
    Além da vacina contra raiva, todo ano os cães devem tomar 1 dose da vacina V8 ou V10, e os gatos 1 dose da vacina tríplice. Para os cães tem ainda a vacina contra pneumonia ou gripe canina e contra Giárdia, que são opcionais.
    
    Desse modo, alguns fatores como: tecnologia da vacina, acondicionamento, transporte, forma de manipulação, temperatura e avaliação clínica prévia fazem a diferença entre vacinar e imunizar um animal, fazem a diferença entre vida e morte.
    
    Agora que você já sabe, não vacine seu animalzinho com qualquer pessoa, você pode estar deixando de salvar a vida dele ou pior, pode ter uma surpresa desagradável poucos dias após realizar esta “vacina”!
    curtir 0
  • Oi, vou pegar um Lhasa, mas a primeira vacina foi nacional, posso seguir com vacinas importadas, ou é preciso retomar a primeira sendo importada para o resto ser importada?

    curtir 0
  • Alguns especialistas consideram a vacina nacional pouco eficiente, resultado esse comprovado clinicamente. Ou seja, os profissionais observaram que animais vacinados com o produto nacional acabaram contraindo algumas doenças para as quais deveriam estar imunes.

    O motivo para essa “falha” é indicada principalmente pela falta de controle na distribuição do medicamento. A vacina nacional pode ser comprada e vendida por qualquer estabelecimento. Normalmente é disponibilizada sem a recomendação de um veterinário, é entregue ao cliente para levar pra casa, ou aplicada no próprio local. As vacinas precisam ser mantidas a certa temperatura e a variação pode inutilizar a solução e acabar não imunizando o cachorro. Assim, perde-se o controle do armazenamento e transporte, além de desconhecer a eficiência na aplicação.

    Já a vacina importada, a qual também é chamada de “vacina ética”, tem a distribuição controlada. Somente veterinários podem comprá-las, e a aplicação também costuma ser feita por este profissional. O problema com armazenagem e transporte também existe para essas vacinas, mas por estarem sob os cuidados dos veterinários, e serem aplicadas nas clínicas especializadas, ela é considerada mais eficaz e mais segura.

    Acredita-se também que as indústrias investem mais em pesquisa e desenvolvimento para a produção, por serem as vacinas éticas exportadas para diferentes países. Assim, a qualidade seria muito superior. Porém, é preciso se dar conta de um detalhe: as vacinas nacionais passam pelo controle de vigilância que liberam a comercialização, e se são liberadas devem imunizar também.

    Deste modo, a diferença entre a vacina nacional e a importada será onde você vai comprar e como a vacina será aplicada.

    curtir 0

Lidar com a Flatulência (Gases) em cães

Como lidar com a Flatulência (Gases) em cães

Deve notar-se que é normal a produção de gás e seu acumulo no interior do trato gastrointestinal. No entanto, em algumas situações, esta produção de gás é aumentada e pode tornar-se excessiva. A causa mais comum de flatulência excessiva é uma mudança na dieta ou do cão comer algo novo ou estragado. A maioria dos casos de flatulência crônica é causada por uma dieta que é mal digerida pelo cão. Estas dietas pouco digestíveis causam fermentação excessiva no cólon e subsequente formação de gás.Se você achou engraçado nas primeiras vezes, mas agora está realmente preocupado e querendo saber como lidar com aqueles puns incômodos e constrangedores do seu cão, saiba que a flatulência pode ter muitas causas na sua origem , algumas por razões simples (mais frequente) outras tem motivos mais graves. Seu animal de estimação pode ter simplesmente comido muito, muito rápido, ou ambos.

CAUSAS

O seu cão pode estar sofrendo de :

  • A doença inflamatória intestinal
  • Excesso de bactérias no intestino delgado
  • Tumores
  • Síndrome do Intestino Irritável
  • Parasitas intestinais
  • Enterite
  • Insuficiência pancreática exócrina

Nesses casos, o melhor é levá-lo para um veterinário fazer uma avaliação. Uma vez que estas causas graves sejam afastadas, então você pode ter tranquilidade para investigar outras causas como :

  • Comer demais
  • Alimentação inadequada (com excesso de carboidratos, lactose, condimentos, cereais)
  • Aerofagia (aumento da ingestão de ar) Comer muito rápido pode ser também uma das principais causas de flatulência. Quando engole sua comida rapidamente, ele tende a engolir ar também.
  • A falta de exercício pode ser outro fator de causar ou contribuir para a flatulência em seu cão.
  • Altura dos vasilhames (Gases também podem se formar se a posição em que seu cão come sua comida é errada. Se o seu cão tem que se curvar muito para chegar ao seu prato, então ele tende a engolir mais ar. Isto pode conduzir a flatulência também (comum em animais de grande porte).

SINAIS CLÍNICOS

Os sinais clínicos mais comuns incluem:

-A expulsão do gás a partir do ânus, com ou sem odor,
-Desconforto abdominal leve,
-Distensão do estômago leve ou inchaço,
-Sons excessivos ou gasosos estrondo do abdômen (borborigmo).
-Se um cão tem um problema de má assimilação subjacente, os sinais clínicos podem incluir fezes moles ou diarreia, vômitos e perda de peso.

DIAGNÓSTICO:
O diagnóstico é feito com base na história clínica e sinais clínicos.Outros testes de diagnóstico que podem ser necessários para determinar a causa da flatulência excessiva incluem exame de fezes e avaliação, citologia retal, culturas de fezes, sangue e urina, tripsina imune (TLI), radiografias abdominais, ultra-som abdominal e biópsias intestinais.

Segundo o MV Prof. Paulo de Souza Jr, "um ponto chave é compreender que tanto a falta, diminuição ou excesso de algum nutriente em uma dieta ou em relação a outros nutrientes, pode levar a problemas sérios de saúde. Por esta razão não se deve acrescentar carne, frango, arroz ou legumes à ração. Ao acrescentar estes alimentos à ração, provocamos a perda do balanceamento proporcional dos nutrientes na dieta. Por exemplo, o excesso de carboidratos pode levar a diarreia e flatulência nos cães. O caso mais conhecido de erro na oferta de carboidratos aos cães é através do leite bovino. Considera-se um erro nutricional oferecer leite para os cães, pois nesta espécie a digestão da lactose é deficiente devido aos baixos níveis da enzima lactase na mucosa intestinal. Deste modo, a lactose sofre fermentação pelas bactérias naturalmente presentes no intestino grosso, levando ao mesmo tempo a uma redução exagerada do pH (acidez) intestinal, o que resulta em diarreias volumosas e flatulência. A quantidade de carboidratos que os cães toleram varia bastante. Por exemplo, cadelas em lactação ou cães de aggility que naturalmente precisam de maiores quantidades de alimento não toleram dietas ricas em carboidratos como a oferecida aos demais cães. Durante a fase de crescimento, a tolerância dos filhotes ao amido é consideravelmente mais baixa que nos adultos, ainda que comam aproximadamente o dobro da quantidade de alimento por quilograma de peso corporal Assim, o teor de amido na dieta de filhotes deve ser de um quarto da quantidade recomendada para adultos..." (http://goo.gl/LmZIqT)

TRATAMENTO

Lidar com o cão flatulência não é muito difícil, o importante é observar a causa e tentar evitá-la.

• Quantidade: Certifique-se de que você não está alimentado seu cão em excesso. Dê a ele uma quantia fixa de comida em horários regulares e evite dar petiscos no intervalo. Em vez de alimentá-lo com uma grande e única refeição, de duas ou três pequenas refeições ao longo do dia. Sem Excessos.

• Exercícios: De acordo com a raça do seu animal , determinar se ele está recebendo a quantidade de exercício suficiente. Os cães pequenos podem ser tratados com uma caminhada longa e rápida em torno do bairro, enquanto cães maiores vão precisar de um treino mais vigoroso.

• Comer rapidamente: Se o seu cão tem flatulência, certifique-se que ele não está engolindo avidamente a comida sem mastigar. Para evitar isso, não espere até que o seu cão fique com muita fome, de-lhe comida. Alimente-o, 15 – 20 min antes do seu tempo habitual por alguns dias, para que ele coma devagar e mastigue sua comida corretamente. (você pode lançar mão também de vasilhas próprias que vêm com divisões internas a fim de impedir que o animal devore o alimento de uma vez. (ou usar uma assadeira de bolo redonda com furo)

• Alimentos inadequados : - Os alimentos crus são saldáveis, mas mais difíceis de digerir, especialmente se a carne crua é dada diariamente. Tente substituir a carne crua pela carne cozida, mas evite fazer mudanças bruscas em sua dieta, já que é outra causa de flatulência. (Antes de mudar converse com o veterinário)

Evite alimentos como leite, pães, bolachas na dieta do seu cão. Eles são uma das principais causas de flatulência, e pode até causar dor de estômago e cólicas em seu cão. Em vez disso, tentar dar-lhe alimentos como iogurte, que irá ajudar na digestão.

• Altura dos vasilhames: Certifique-se de que as vasilhas são mantidas em um nível elevado adequadamente, de modo que ele não tenha que dobrar muito o corpo quando faz suas refeições. A altura certa é quando seu pescoço permanece quase em linha reta enquanto come..

Além disso, certifique-se de evitar todos os alimentos que o seu animal de estimação é alérgico, para que o problema com a flatulência não ocorra e da qualidade da comida que você está dando ao seu cão.

É bom lembrar que alguns cães de raças Braquicéfalas (focinho encurtado, como Buldogue Frances) devido a dificuldade respiratória causada pela sua condição, tem mais tendencia a flatulência

Depois de ter tomado o cuidado com todos os pontos mencionados acima, então a flatulência deve parar dentro de pouco tempo. Quando isso acontecer, você vai saber que você está fazendo as coisas certa. Se o problema persistir, então o melhor é consultar seu veterinário.

PREVENÇÃO

Promover um estilo de vida ativo
Dar refeições menores com mais freqüência
Alimentar o animal num ambiente tranquilo e não-competitivo
Dar uma dieta altamente digestível e baixo teor de gordura ( Dieta específica)
Alterar a fonte de proteínas e hidratos de carbono, por vezes contribui para evitar a formação dos gases

Evite que seu animal tenha acesso a alimentos inadequados, por exemplo, coloque as latas de lixo em local seguro e bem tapadas e não deixe o seu cão passear nos quintais de vizinhos, e observe se o cão está apresentando coprofagia, ou seja, comendo fezes.

Fonte:
Denise Dechen (http://dicaspeludas.blogspot.com.br/)

curtir 4
  • Texto muito bom e elucidador. Só tenho um adendo, que considero importante, diante da excelência do artigo: "Os alimentos crus são saldáveis...". Saudáveis, é com U.... Parabéns pela explicação!

    curtir 0

Amor que não se Medes

20170618_191228.jpg

curtir 0

Sol é minha parceira, minha filha minha princesa.😍😍

Sol da minha vida

curtir 0

Fred e mel

IMG_20170604_184133_447.jpg

curtir 1

Minhas princesas!! Meg e Beta!

IMG_7566.JPG

curtir 2

Não sei bem?

Pessoal, é normal quando você vai viajar e seu animalzinho não se alimenta direito? Estou preocupada porque eu e minha família fomos viajar e minha tia mandou uma mensagem dizendo que a minha Nina não estava comendo...
Pois eu acho que é saudade mas não sei direito...

curtir 1